quarta-feira, 16 de junho de 2010

Uma história para um jogo de RPG que virou história... (Parte III)

Olá, amigxs!
Obrigadx a todxs pelos comentários, participações, intervenções, carinhos... sem isso não há razão, não há o estar entre...textos, reticências, leitores e...e...e...
Bom, vou postar agora a última parte da história. A última por enquanto. Essa coisa de resgatar o texto e colocá-lo no blog me deu vontade de continuar a história de Marie, mesmo sem jogo. Não sei, é uma ideia, vamos ver no que dá. Por hora, deixo vocês com a última parte da história sem fim de Marie.
Beijos e afagos!

***

Sinto falta de Ramón. Não foi meu único homem, mas o único que amei e dediquei minhas palavras. Minha mãe nunca soube, mas quando ainda era viva e morávamos em Paris, precisei de alguns homens sujos para conseguir algum dinheiro para a casa. Ramón me olhava nos olhos. Ele tinha notas musicais saindo dos dedos. Deixei-o para salvá-lo da morte. O gosto de sangue estava chegando e não sei como, mas sabia que não resistiria por muito tempo.

...

Há oito anos não sou mais. Me sentia observada há semanas e naquela noite veio a dor e o esquecimento. Não me lembro de muita coisa... só do homem alto, forte e grisalho, das garras, do “abraço”, do sangue e da dor. Aquela noite me perturba. Não sei bem quanto tempo tudo aquilo durou. Me lembro de voltar para casa e Savoir, meu cachorro na época, lamber meus pés. Me deitei ao lado de Ramón, dei-lhe um beijo e veio o gosto de sangue. Ele permaneceu dormindo e depois o sangue de Savoir...e a noite. Nunca me perdoei pela morte de Savoir. Desde então, procuro pelo homem que me tirou a luz e fujo de Ramón.

...

Certa vez, na Itália, isso deve fazer uns 5 ou 6 anos, estava com Soleil na rua, sentada na calçada, perto de um bueiro. Escrevi algo sobre dor e sangue, minha vida, e joguei no bueiro. Fiquei ali por mais algum tempo e vi uma mão sair do esgoto e me entregar um papel com os dizeres: “Sinto o gosto”. Percebi que aquela mão era como eu. Foi meu primeiro “encontro” com alguém que sabia quem eu havia me tornado...

Marie.


5 comentários:

Por que você faz poema? disse...

Muito legal as imagens construidas.

reflexoesdedonadih disse...

Professora linda *-* Fiquei muito feliz com seu comentário, espero que continue acompanhando os próximos. Confesso que me ''encontrei'' em citações dos seus textos, aposto que todas nós temos uma faceta de Marie,néam? Voltarei mais vezes -espero continuar indo bem nas suas provas,haha- beijoooos

Pati disse...

ah, querida...
Impressionante como seu universo tem poética... como vc pode construir histórias!!!
Me lembrei agora do porque eu tinha uma biografia pronta pra vc... rsrsrs
Vc é mesmo inspiradora! Ainda bem que resolveu retomar e revelar sua face literária!
Obrigada por isso!
bjs

Dreamer disse...

Queridxs!
Obrigadx pelos comentários!
Bjos!

Sati Kaos disse...

Belas imagens! Não tem fim, como o gosto de Marie essa história vai te seguir a procura de seu desfecho. haha e isso não foi uma praga não.
beijos